SAUDE

Publicada em 27/07/17 às 22:37h - 327 visualizações
Aumento da violência gera reflexos nos hospitais do Rio de Janeiro.

fonte: g1.globo.com


Profissão Repórter acompanhou plantões nesses hospitais.
Médicos dizem que as vítimas têm sido atingidas por armas mais potentes.
O aumento da violência no Rio de Janeiro reflete diretamente nos hospitais públicos da cidade, que socorrem cada vez mais baleados e vítimas dessa situação.
O Hospital Geral de Nova Iguaçu, também conhecido como Hospital da Posse, na Baixada Fluminense, registrou um aumento de 61% no atendimento a baleados. Em 2016, foram 475 baleados atendidos. Até julho desse ano, já foram 410. Em um fim de semana, alguns casos foram registrados: uma vítima de assalto atingido por um tiro na cabeça, um homem baleado em um tiroteio enquanto cantava em um caraoquê e um homem baleado na perna e que está internado sob custódia da Justiça.
O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, é referência em atendimentos de emergência na Baixada Fluminense. Em 2016, os médicos socorreram 658 baleados. Até junho desse ano foram 369. Na sexta-feira passada (21), o hospital tinha 350 pacientes internados e dez cirurgiões no plantão. "Geralmente, o perfil no início do plantão é de acidente de carro e moto. Os casos de violência mesmo, de projétil de arma de fogo, são mais no decorrer da madrugada", conta Fernando Pedrosa, chefe do plantão.
Nessa mesma noite, duas ocorrências de violência resultaram em três pessoas feridas, que foram atendidas no Hospital Alberto Torres, mais conhecido como Hospital de Traumas de São Gonçalo. O hospital atendeu mais de 400 baleados no ano passado. Em 2017, foram 272. "Ultimamente tem sido bem comum paciente baleado aqui, não só na sexta-feira. Não tem dia de semana, não tem horário. O que a gente vê é que hoje são baleados por armas de calibres maior, mais potentes, como fuzil, por exemplo", afirma Thiago Bonn, médico cirurgião.
O aumento de vítimas da violência afeta o atendimento médico para a população. A vendedora Andressa da Silva, por exemplo, não conseguiu uma ambulância para socorrer a tia, que tem diabetes e estava passando mal: "Ligamos várias vezes pro Samu, pros Bombeiros, e falaram que não podiam, que a preferência são os baleados".
Em 2016, o Hospital Muinicipal Salgado Filho, na Zona Norte do Rio, atendeu 504 baleados. Até junho desse ano já são 409 casos. "A gente atende aqui desde o paciente mais simples até o politraumatizado e traumatizado por bala de fogo. A partir do momento que a gente tem um aumento de paciente baleado, a gente acaba perdendo um pouco a assistência pros paciente que não tem necessidade emergencial", explica João Carlos dos Santos, diretor do hospital.
"Hoje praticamente a gente só tem projetil de fogo de alta velocidade, como fuzil, AK-47. E a gente pega lesões por bomba, granada. A gente acaba tendo que estudar em livros de lesões de guerra pra tentar consertar algo que é catastrófico", diz Hugo Tristão, cirurgião vascular.
Fogo Cruzado
Cecília Oliveira, jornalista e especialista em segurança pública, é uma das criadoras do aplicativo Fogo Cruzado, um mapa colaborativo onde as pessoas notificam quando passam por uma situação de tiroteio ou disparo de arma de fogo. O aplicativo foi criado há um ano e já contabilizou mais de cinco mil tiroteios.





Os Heróis da Vida Real.
Hora Certa
Estatísticas
Visitas: 6547760 Usuários Online: 55


Fan Page

Tempo no Brasil
You Tube Inscreva-se.
Departamento de Vendas.
Conexão Blogspot.
Rádio Web.
Bombeiros RS Treinamentos
Febrabom RS
A Maior Loja do Brasil

Inscreva-se em Nosso Canal.
Empresa Forte é Destaque Aqui!
Espaço Democrático.
Anuncie Aqui.
Anuncie Aqui!
Fique informado:
Colunistas

Júlio Valêncio

Contra ou a Favor! "eis a Questão".


MESTRE APARECIDO

O Malvado Favorito.


CARLOS CARDOSO

Bombeiros Civis do Rio Grande do Sul Fiquem Atento a Propagandas Enganosas pois, Nada é de Graça!


Redes Sociais


Bloquear cópia de conteúdo Não tente copiar!
Copyright (c) 2018 - conexaobombeiro.com.br - Todos os direitos reservados