JUSTIÇA

Publicada em 04/07/17 às 21:05h - 830 visualizações
Pais processados vão pedir afastamento de promotores no Caso Kiss.

fonte: diariodesantamaria.clicrbs.com.br


Eles criticaram Ministério Público por pedir absolvição de familiares de vítimas em dois processos.
Depois que o Ministério Público do Rio Grande do Sul pediu a absolvição dos pais das vítimas do incêndio na boate Kiss e protocolou o pedido em Santa Maria, o grupo de pais envolvidos nos se reuniu para avaliar o desdobramento do caso. Em uma coletiva de imprensa realizada na manhã de hoje, na sede da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia em Santa Maria (AVTSM), os pais e os advogados repudiaram a decisão do órgão. 
Vanda Dacorso, mãe de Vitória, 22 anos, uma das vítimas e secretária da AVTSM, leu uma carta em agradecimento ao apoio da comunidade na campanha #SomosTodosPaisKiss que ganhou grande repercussão nas redes sociais. 

Os pais de vítimas Paulo Tadeu Nunes de Carvalho, Sérgio da Silva e Flávio da Silva estão sendo processados pelos promotores de Justiça Ricardo Lozza, Joel Oliveira Dutra e Maurício Trevisan por calúnia e difamação. Os familiares alegam que não ofenderam os promotores como pessoas e a atuação deles como profissionais, eles tentaram mostrar com cartazes e publicações que o MP sabia que a boate funcionava de forma irregular e nada foi feito.
- É uma ironia muito grande e uma arrogância maior ainda por parte do procurador do MP quando ele falou que seria provado que não haveria nada de irregular com os promotores e mesmo assim eles estariam dispostos a nos perdoarem porque teriam cessado as críticas e cobranças com o Ministério Público, mas isso não condiz com a verdade. Mais uma vez foi comprovado que os promotores estão se colocando no lugar de Deus para provocar o perdão, mas dar perdão para quem não provocou um crime é irônico demais - comentou Flávio Silva, pai de vítima e vice-presidente da Associação.
Pedro Barcellos Junior (esquerda) e Flávio José da Silva, durante a coletiva na manhã de hoje
O advogado de Flávio da Silva, Pedro Barcellos, disse que vai recorrer da decisão ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo ele, o MP não quer expor a instituição.
- No meu ponto de vista, foi uma manobra esperta do MP, eles pensaram o seguinte: se nós recorrermos em Brasília e Brasília mandar julgar, o promotor vai correr sério risco de alguma coisa, então pedindo a absolvição, os processos principais perdem o objeto e não tem mais como recorrer. Mas nós vamos até o final - garante Pedro Barcellos.
No encontro os pais anunciaram que vão pedir o afastamento dos promotores que atuam no processo criminal. 
- Esse é um pedido nosso, porque se nós estamos lutando contra eles, como nós vamos nos unir a eles para acusar alguém, qual a moralidade que tem isso? A nossa decisão é que a gente não quer aqueles dois promotores envolvidos no processo, não tem condições. Então isso vai ser discutido com os advogados para ver qual o procedimento melhor deste pedido. Nós não aceitamos nenhum pedido de desculpas e de absolvição - explica Sérgio da Silva, pai de vítima e presidente da Avtsm.
Sérgio da Silva, presidente da ATVSM
Agora, cabe ao juiz Leandro Sassi decidir se acata o pedido de absolvição dos pais movidos pelo MP ou se condena os réus. 
Conforme o MP, o pedido de absolvição foi feito porque os promotores estão satisfeitos com o resultado dos processos, antes mesmo da conclusão, pois conforme o órgão, as ofensas dos pais aos promotores cessaram. O MP alega ainda que, no momento em que o recurso dos pais foi negado pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJRS), no início da semana, ficou claro que os promotores agiram corretamente durante todo o processo.

NA ESFERA CÍVEL
Irá Mourão Beuren, conhecida como Marta Beuren, é processada na esfera cível por injúria, difamação e falsidade ideológica pelo promotor aposentado João Marcos Adede y Castro e pelo filho dele, o advogado Ricardo Luís Schultz Adede y Castro. O pedido de absolvição não vale para o caso dela, já que não é movido pelo MP. A sentença pode sair nos próximos dias.
- O MP não tem competência jurídica para pedir nada no processo da minha cliente. Só seria possível, antes da prolação da sentença, que os autores solicitassem a desistência do processo condicionado a aceitação dela, mas isso é uma decisão única e exclusiva dos autores do processo, nos cabe esperar a sentença - ressalta a advogada Patrícia Michelon, que defende Marta.




Os Heróis da Vida Real.
Hora Certa
Estatísticas
Visitas: 6338238 Usuários Online: 67


Fan Page

Tempo no Brasil
You Tube Inscreva-se.
Departamento de Vendas.
Conexão Blogspot.
Rádio Web.
Bombeiros RS Treinamentos
Febrabom RS
A Maior Loja do Brasil

Inscreva-se em Nosso Canal.
Empresa Forte é Destaque Aqui!
Espaço Democrático.
Anuncie Aqui.
Anuncie Aqui!
Fique informado:
Colunistas

Júlio Valêncio

Contra ou a Favor! "eis a Questão".


MESTRE APARECIDO

O Malvado Favorito.


CARLOS CARDOSO

Bombeiros Civis do Rio Grande do Sul Fiquem Atento a Propagandas Enganosas pois, Nada é de Graça!


Redes Sociais


Bloquear cópia de conteúdo Não tente copiar!
Copyright (c) 2018 - conexaobombeiro.com.br - Todos os direitos reservados