JUSTIÇA

Publicada em 14/06/17 às 23:22h - 249 visualizações
PEC que torna estupro imprescritível entra na última fase de votação.

fonte: correiobraziliense.com.br


A expectativa da relatora da proposta, Simone Tebet (PMDB-MS) é de que a proposta seja votada na próxima terça-feira e aprovada por unanimidade, como foi no primeiro turno no plenário.
Ao menos 125 pessoas por dia foram vítimas de estupro em 2015, apontou o último anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública do ano passado, o mais recente disponível. Isso significa que, em 2015, 45,4 mil pessoas foram violentadas sexualmente e, desse total, 89% são mulheres. Há outro alerta sobre violência sexual no Brasil: calcula-se 527 mil casos por ano entre tentativas e estupros consumados no país, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). No entanto, os números podem ser ainda maiores, porque muitas vítimas não denunciam os algozes.
Para tentar mudar esse cenário, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) tornará mais rigorosa a punição dos agressores. Trata-se da proposta de n° 64, que torna o crime de estupro inafiançável e imprescritível. Dessa forma, o enquadramento pelo ato de violência sexual não se esgotará com o passar do tempo e o criminoso não poderá ser liberado para aguardar o julgamento por meio de pagamento de fiança.

A PEC está na última fase de votação no plenário do Senado e foi colocada na ordem do dia ontem. No entanto, faltou quórum no plenário devido à demora na discussão da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). A expectativa da relatora, Simone Tebet (PMDB-MS) é de que a proposta seja votada na próxima terça-feira e aprovada por unanimidade, como foi no primeiro turno no plenário.
Atualmente, a lei de crime de estupro estabelece que o tempo de prescrição pode se estender por até 20 anos. Quando a vítima é menor de 14 anos de idade, essa contagem começa após ela completar 18 anos. O texto da PEC é de autoria do senador Jorge Viana (PT-AC), cujo estado registrou a maior taxa de estupros em 2015: foram 65 vítimas por 100 mil habitantes. Viana destacou que é preciso tornar o estupro imprescritível pois "o crime é tão brutal que, muitas vezes, a vítima demora a ter coragem para denunciar".

A relatora reforça o argumento do petista: "A vítima de estupro leva tempo para entender que foi violentada e que não é culpada pelo ato. O estupro em geral acontece no seio familiar e com crianças, que são mais vulneráveis. Por isso, a importância de quebrar paradigmas e tornar esse crime imprescritível para levar em conta o tempo de denúncia da vítima".
Para Fabiana Dal'Mas, promotora de Justiça do Grupo de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar do Ministério Público de São Paulo, a PEC é um passo importante no combate ao crime de estupro, mas não deve ser o único. "Com a punição, deve haver prevenção. Campanhas, varas judiciais especializadas nesse tipo de crime e discussão sobre violência sexual nas escolas são algumas políticas que poderiam contribuir na mudança da cultura de estupro que existe no país"




Os Heróis da Vida Real.
Hora Certa
Estatísticas
Visitas: 6543585 Usuários Online: 75


Fan Page

Tempo no Brasil
You Tube Inscreva-se.
Departamento de Vendas.
Conexão Blogspot.
Rádio Web.
Bombeiros RS Treinamentos
Febrabom RS
A Maior Loja do Brasil

Inscreva-se em Nosso Canal.
Empresa Forte é Destaque Aqui!
Espaço Democrático.
Anuncie Aqui.
Anuncie Aqui!
Fique informado:
Colunistas

Júlio Valêncio

Contra ou a Favor! "eis a Questão".


MESTRE APARECIDO

O Malvado Favorito.


CARLOS CARDOSO

Bombeiros Civis do Rio Grande do Sul Fiquem Atento a Propagandas Enganosas pois, Nada é de Graça!


Redes Sociais


Bloquear cópia de conteúdo Não tente copiar!
Copyright (c) 2018 - conexaobombeiro.com.br - Todos os direitos reservados